Um ataque direto contra a democracia

O presidente ultrapassou todos os limites ao participar de um comício favorável a um golpe militar? Será que ele lançou a sorte e, como Júlio César, cruzou o Rubicão? O rio Rubicão separa a Gália e a Itália. Na Roma antiga o Senado proibia a todo general transpor esta fronteira sem autorização. Em 49 a.C. Julio César violou a lei de Roma, declarou guerra ao Senado, atravessou o Rubicão e lançou-se à sorte: ou colocaria fim à sua carreira política ou tomaria o poder. Júlio César gerou guerra, caos, confusão e tomou o poder. 

Qualquer pessoa com mínimas noções de democracia sabe que o presidente ultrapassou todos os limites ao participar de um comício favorável a um golpe militar. 

Depois ele recuou e disse que não era nada contra a democracia. Sempre faz isso: diz e depois desdiz. Morde e assopra. Ultrapassa limites e recua. Vai medindo o terreno. De crise em crise ele avança nas táticas paulatinas de enfraquecimento e destruição da democracia que já foram usadas por Maduro, Orban e tantos outros autocratas. 

Depois ele disse com cinismo: “já estou no poder. Então estou conspirando contra quem?”. Ora, contra os demais poderes, óbvio. O que ele quer é o poder total e absoluto.

Governar a seu bel prazer lhe permitiria tudo, como falsificar números de mortos da pandemia, ditar as políticas autoritárias, censurar a imprensa, controlar os cidadãos. Esse é o sonho de todo autocrata. 

Para reforçar o seu perfil autocrata ele disse “eu sou a Constituição”, de Carl Schmitt, negando a legitimidade constitucional, como se fosse um profeta do povo, confirmando abertamente o seu desejo de ter todos os poderes centralizados nele.

O contexto da pandemia é um campo fértil para avançarmos de vez ao autoritarismo pleno. Bolsonaro é o líder propício para as forças do caos e da normalização do absurdo. 

As instituições estão acuadas e omissas. Limitam-se a fazer “notas de repúdio” que ninguém lê. O inquérito aberto pelo STF não diz muita coisa nesse contexto. 

O povo, por sua vez, está preocupado com as suas vidas e com o futuro; quer tranquilidade, paz e união. Ninguém quer discutir política numa hora dessas. 

Estamos num grande impasse. Mas é preciso acreditar que uma hora o povo brasileiro e as nossas instituições terão forças para interromper o pesadelo do autoritarismo que nos ronda. Não pode demorar. Em jogo estão a liberdade e a democracia, os nossos valores mais absolutos. 

Três registros fotográficos do dia 19/04/2020, que entrará para a história do país como a infame data em que um presidente participou diretamente de um comício contra a democracia, gerando mais instabilidade e pânico para a sociedade brasileira, no meio de uma pandemia com centenas de mortes por dia:

– Foto 1: Bolsonaro participa do protesto contra a democracia, diante do quartel-general do Exército (!), em Brasília. Nas faixas e cartazes os dizeres “Intervenção já, com Bolsonaro no poder”, ou seja, um golpe a favor de Bolsonaro ditador. (foto de Gabriela Biló/Estadão).

Foto: Bolsonaro na participação do protesto contra a democracia, diante do quartel-general do Exército, em Brasília. Nas faixas e cartazes os dizeres “Intervenção já, com Bolsonaro no poder”, ou seja, um golpe a favor do próprio Bolsonaro como ditador. (foto de Gabriela Biló/Estadão)
Foto: Protestos de bolsonaristas a favor da ditadura, na Av. Paulista, fechando passagem para ambulâncias (Foto de Nilton Fukuda, Estadão).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *