Quarenta anos da morte de Lennon

John Lennon faz muita falta, principalmente para nós que passamos a nossa juventude apaixonados pelos Beatles em geral, e por Lennon, em especial. 

Faz 40 anos que ele morreu. Uma morte que chocou o mundo e ainda deixa triste todos os seus fãs. 

Eu nunca o endeusei, mas ele era muito especial. As suas canções nos trazem de volta os sorrisos perdidos e as esperanças que se foram. 

Nesse mundão intolerante e conflituoso, o que seria de nós se não fosse a existência, ainda que breve, dos poetas, dos loucos, dos pacifistas e dos românticos, como John Lennon, um ser do outro mundo?

Que falta nos faz o John sonhador, que com o idealismo das suas letras ousava, provocava, ensinava e construía espaços e caminhos para um mundo mais pacífico. 

John trouxe luz para o mundo e elas ainda iluminam as noites sombrias.

“Quando a noite chegar
e a terra ficar escura
e o luar for a única luz que se vê,
não, não vou ter medo.
Oh, eu não vou ter medo,
enquanto você ficar comigo…”

À época, no trágico dia, eu era um jovem adolescente apaixonado pelos Beatles. Era difícil compreender o significado daquele acontecimento trágico, que foi o assassinato de Lennon na porta do seu prédio, o edifício Dakota, em Nova York. Lembro-me que muitos fãs suicidaram.

***

Elton John era amigo de John Lennon. Ele é padrinho de Sean, um dos filhos de Lennon. Ele traduziu a enorme perda na canção Empty Garden.

And I’ve been knocking, but no one answers. And I’ve been knocking, most all the day. Oh, and I’ve been calling “Hey, hey, Johnny!” Can’t you come out to play? “E eu estou batendo, mas ninguém responde/E eu estou batendo, a maior parte do dia/Oh, e eu estou chamando: “Ei, ei, Johnny!”/Você não pode sair para tocar?”

Saudades Lennon.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *